Gestores de transportadoras que almejam eficiência e destaque no mercado precisam de um controle de entregas eficiente e ágil. Dessa maneira, além de atender plenamente seus clientes, é possível fazer uso da lei do prazo de entrega em benefício próprio em situações de atraso no recebimento de cargas.

Afinal, o setor de logística precisa, cada vez mais, de profissionalismo para atender as demandas de entrega com pontualidade e qualidade esperadas.

Com o setor varejista expandindo fortemente pelo Brasil, são necessárias ferramentas para elevar o nível da prestação de serviço como um todo.

Assim, a melhor organização por parte dos prestadores de serviço, além de medidas legais para protegê-los, são movimentos essenciais para qualificar a logística brasileira. Quer saber mais? Confira o conteúdo que preparamos sobre o tema, logo abaixo.

Qualidade no controle de entregas

Do lado das transportadoras, há um movimento crescente pela implantação de tecnologias que possibilitem a máxima organização na entrega de cargas, sejam elas fracionadas ou não.

O investimento pesado em softwares para gestão de transportadoras, incluindo a logística, planejamento de rotas, fretes, emissão de conhecimentos, entre outras funcionalidades, está refletindo em um sistema logístico cada vez mais eficiente e de qualidade.

como fazer um planejamento de rotas eficiente, clique e saiba mais

Assim, com os gestores atentos para essa questão, independentemente do tamanho da transportadora, resta aos governos estabelecerem leis que protejam o bom trabalho realizado pelos serviços logísticos, o que já está acontecendo no país.

A lei do prazo de entrega

Conhecida como Lei da Cobrança de Estadia, o texto § 5° do Art. 11 da Lei 11.442/07, alterado pela lei 13.103/2015, determina que um caminhoneiro pode ficar até 5 horas aguardando para realizar uma entrega no local estabelecido pelo contratante do frete, o que, muitas vezes, não acontece dentro do prazo estimado.

Assim, todo o trabalho das transportadoras para controlar suas entregas com eficiência são prejudicadas por empresas desorganizadas e que, além disso, demonstram pouca preocupação em resolver a situação.

Desse modo, a lei do prazo de entrega – que já nem é tão recente – busca dar proteção ao entregador, remunerando o descaso do recebedor com uma multa equivalente à capacidade do veículo.

Portanto, o atraso na entrega pode ser extremamente prejudicial para as empresas que deixaram os entregadores esperando por um longo período.

Como funciona a cobrança de estadia?

Apesar de estar em vigor há bastante tempo, a cobrança de estadia, normalmente, não é colocada em prática pelas transportadoras. Para que isso aconteça, o entregador precisa de um documento que comprove a hora de chegada no local da entrega. Assim, a partir desse comprovante, é possível realizar o cálculo para pagamento da multa.

Com o documento em mãos, o transportador poderá esperar até 5 horas para realizar a descarga. A partir desse tempo, é contabilizado o valor da multa a ser paga em relação à capacidade de carga do veículo, entre outros adicionais.

Desse modo, o prejuízo por horas paradas além do permitido será devidamente ressarcido.

Portanto, o cálculo exato é realizado da seguinte maneira:

Multa = Total de horas aguardando x Capacidade de carga do caminhão x R$ 1,69*

* Esse valor é reajustado com o tempo, mas será usado nesse exemplo para ilustrar uma hipotética situação.

Exemplo:

João, motorista de uma carreta com capacidade para 30 toneladas, aguardou 8 horas para descarregar sua carga. Com esses dados, ele deverá receber R$ 405,60 de multa, já inclusa no pagamento do frete.

8 horas x 30 toneladas x R$ 1,69 = R$ 405,60

E se a empresa multada se recusar a pagar?

Essa é uma possibilidade, visto que a lei, normalmente, não é respeitada como deveria. Portanto, para que algo possa ser feito, é necessário ter o comprovante de chegada no local de descarga e, assim, poder acionar os órgãos responsáveis pela situação.

Nesse caso, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) pode resolver o caso pelo telefone 166 ou pelo site, disponível no endereço: http://www.antt.gov.br/faleConosco/index.html.

Após a denúncia, a multa extra sobre o descumprimento da lei do prazo de entrega pode chegar a, até, 5% do valor estimado da carga. Desse modo, a empresa infratora será responsabilizada devidamente pelo prejuízo causado ao transportador.

Leia também: 5 erros fatais na gestão de uma transportadora e como evitar

5 erros fatais na gestão de uma transportadora e como evitar, clique e saiba mais!

Organização na logística é bom para todo mundo

Como pudemos ver, existe uma grande preocupação do lado dos gestores de transportadora que se movimentam, cada vez mais, para fornecer um serviço de qualidade e que atenda as necessidades de pessoas físicas ou empresas em suas entregas.

Porém, do outro lado, também é necessário algum meio que possibilite mais profissionalismo por parte de quem recebe cargas. Afinal, caminhão parado significa que outras entregas serão prejudicadas e, portanto, todo o investimento em organização por parte das transportadoras se mostrará inútil.

Assim, a lei do prazo de entrega surge para resolver um problema histórico entre transportadores e recebedores, para que seja possível desenvolver um equilíbrio no sistema logístico e, com isso, o deixe mais profissional e benéfico para os envolvidos.

Portanto, como bom gestor, você precisa ficar atento às regras e leis da categoria para exigir a mesma qualidade de terceiros, da mesma forma que procura implementar diariamente em sua transportadora.

Para te auxiliar nessa organização, vale contratar um bom sistema de gestão que tenha todos os requisitos necessários para o controle geral da frota. Para conhecer o software Transportadora 5, clique aqui e teste gratuitamente.

Uma resposta

Deixe um comentário