Guia completo sobre a documentação obrigatória de transporte. Confira:

Saiba qual é toda a documentação obrigatória necessária nos transportes de carga, descubra como emiti-las e qual é a importância de cada uma aqui.

A tecnologia está presente em todos os setores da economia e isso não é diferente no transporte de cargas. Com o aumento da demanda de e-commerces e marketplaces, mais transportadoras têm surgido com o intuito de ofertar e suprir essa necessidade mercadológica.

Por conta disso, a procura pela documentação obrigatória do transporte de cargas teve um crescimento considerável pois deve ser seguida rigorosamente. Afinal, os consumidores finais prezam muito pelas datas de entrega e a falta de documentos pode atrasar os serviços de carga.

Existem alguns documentos necessários que são essenciais para realizar o transporte, eles devem ser feitos da maneira certa para que você não tenha problemas no futuro.

Além disso, é importante se atentar pois para cargas perigosas ou cargas que excedem o tamanho do veículo, existe uma documentação específica que deve ser conferida junto com a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) e o órgão de fiscalização de transportes da sua região.

Confira abaixo a documentação necessária e faça um check list de tudo que precisa para trabalhar com transporte de cargas:

NF-e (Nota Fiscal Eletrônica)

Independente da forma como você conhecer, a NF-e faz parte da documentação obrigatória de transporte de cargas. Ela é muito falada em todos os setores pois deve ter emissão em toda venda ou compra de produtos e serviços.

Nela estarão todas as informações da transação da compra ou venda, além dos impostos que já foram ou que serão recolhidos pelo governo.

Hoje em dia ela pode ser emitida pela internet, facilitando a entregabilidade da mesma para os consumidores finais além do acesso para as transportadoras e para o governo.

Por conta disso, as empresas encaminham a mesma através de e-mail e trabalham com esse documento de forma 100% digital.

CT-e (Conhecimento de Transporte Eletrônico)

Esse documento deve ser emitido por todo tipo de transporte feito em território brasileiro e tem a função de registrar a prestação de serviço de determinado transporte. Dessa forma, as empresas conseguem evitar problemas com órgãos governamentais.

Para realizar a emissão do CT-e, assim como a NF-e, é necessário que seja feita eletronicamente através de um sistema de gestão que forneça esse tipo de serviço, além de ter um registro junto a ANTT, certificado digital e credenciamento pela SEFAZ.

Como o documento deve ser emitido muitas vezes quando falamos de transportadoras, é essencial verificar se o software contratado possui algum limite máximo para realizá-los. A Renasoft, por exemplo, conta com um sistema TMS de ponta com emissão ilimitada, caso queira, teste o sistema gratuitamente.

Para saber ainda mais detalhes e benefícios sobre o CT-e, clique na imagem abaixo e veja um artigo bem completo que preparamos para você.

Imagem de um caminhão levando para um post explicando tudo sobre CT-e

MDF-e (Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais)

O MDF-e pode tornar o seu dia a dia mais ágil, pois ele é um documento emitido eletronicamente que tem o intuito de registrar e assegurar que o processo do transporte possa funcionar com menos burocracia e mais segurança.

Esse documento consolida as emissões de CT-e e NF-e em apenas um só documento, facilitando assim o seu cotidiano e diminuindo o seu trabalho de conferência de CT-e por CT-e ou NF-e por NF-e. Ou seja, aqui você tem tudo compactado em um só lugar, tornando o processo de conferência mais fácil e rápido.

Para fazer a emissão de MDF-e, é necessário ter credenciamento pela SEFAZ e ele também só conseguirá ser feito através de um bom sistema de gestão que tenha interligação com o órgão citado acima.

Saiba mais: Tudo que você precisa saber sobre MDF-e

Post MDF-e tudo que você precisa saber

DANFE (Documento Auxiliar de Nota Fiscal Eletrônica)

Como o nome diz, esse documento é um auxiliar da NF-e porém não a substitui. O DANFE é uma versão impressa da NF-e digital. Ele deve estar obrigatoriamente em todos os transportes de cargas representando as transações de compra e venda além dos impostos.

O seu formato é bem parecido com o da Nota Fiscal, porém a sua diferença é que contém um espaço para assinatura do destinatário na ocasião em que a carga é entregue ao mesmo ou no momento em que o serviço é prestado. Em outras palavras, o documento funciona como um comprovante físico da transação.

Para emitir, é essencial que use o mesmo sistema usado para gerar a NF-e, pois as suas características bem como o seu formato devem ser os mesmos e assim respeitar o formato padrão.

DACTE (Documento Auxiliar de Conhecimento de Transporte Eletrônico)

Assim como o DANFE é o auxiliar da NF-e, o DACTE tem a mesma função mas agora relacionado ao CT-e. O mesmo também se trata de um documento impresso da versão digital do Conhecimento de Transporte, sendo obrigatório em todas as rotas de carga.

A sua função é registrar a assinatura do destinatário quando a carga é entregue ou na prestação de serviço. De forma que garanta em formato físico que a transação foi efetuada.

Bem como o DANFE, ele deve ser emitido no mesmo sistema em que o CT-e foi gerado, para que ambos contenham o formato padrão e assim você não tenha problemas com o governo no futuro.

DAMDFE (Documento Auxiliar do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais)

Ele faz parte da documentação obrigatória e bem como o DANFE e o DACTE, o DAMFE é um auxiliar do MDF-e, não substituível em formato impresso para ser utilizado na hora da entrega do produto ou serviço.

Esse deve ser emitido no mesmo sistema de gestão que o MDF-e, pois os mesmos devem conter características iguais para a segurança de todos os envolvidos. Além disso, também faz parte da documentação obrigatória.

CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo)

Esse documento é obrigatório para todo proprietário de veículo no Brasil e deve ser atualizado anualmente conforme a placa do veículo.

Sem o mesmo, não há possibilidade de dirigir o veículo, visto que se estiver sem o documento, o veículo em questão pode ser detido e até mesmo analisado como caso de roubo.

Em 08 de maio de 2020 tornou-se possível e obrigatória realizar a emissão do CRLV digitalmente. Para fazer é muito fácil, basta realizar o pagamento pelo banco em que tem conta e o mesmo estará disponível para acesso ou impressão através do site do DETRAN ou do aplicativo “Carteira Digital de Trânsito”.

Um fato interessante é que a apresentação do CRLV pelo aplicativo é válida como documento, já que o mesmo possui um QR Code onde é possível verificar a situação do veículo.

RCTR-C (Responsabilidade Civil Do Transportador Rodoviário De Cargas)

A RCTR-C é uma documentação obrigatória que tem como intuito cobrir danos a terceiros causados pelo transporte de carga, o que acaba sendo um grande benefício para as transportadoras pois previne de gastos inesperados.

Esse documento tem validade em todo o território nacional e funciona como um seguro, cobrindo o pagamento de indenizações como: abalroamento, capotagem, colisão, explosão, incêndio e tombamento.

Mesmo que o transportador possua um seguro separado, ainda assim a RCTR-C é obrigatória e necessária em todos os transportes de carga. O valor a ser cobrado varia conforme a seguradora escolhida para emitir RCTR-C e deve aparecer no MDF-e.

Ele não é a mesma coisa que averbação de carga e por conta disso, não tem nenhuma proteção com relação a carga. Saiba mais:

CIOT (Código Identificador de Operação de Transporte)

O CIOT veio para substituir a carta frete, pois consegue ser muito mais seguro e justo. Sua função é regularizar o pagamento do frete ao prestador de serviço.

Todos devem obrigatoriamente gerar o CIOT através de uma administradora homologada pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) que é responsável por gerar uma numeração única que deve constar no CT-e e MDF-e.

Atualmente o CIOT só é obrigatório para alguns casos específicos, no entanto, a lei “CIOT para todos” entrará em vigor em breve.

Para ficar por dentro de todas as atualizações, acesse o site da ANTT e para saber todas as regras, multas e emissão clique em nosso post: “CIOT: Não corra o risco de ser multado”.

Tudo sobre CIOT

Use um sistema de gestão para emitir os documentos obrigatórios!

Como já citado anteriormente, é importante ter um sistema de gestão que não tenha limite de emissões, já que essa é a documentação obrigatória e devem ser emitidas constantemente.

Um bom sistema vai te auxiliar com todas essas questões e ainda preencher alguns documentos de forma automatizada, tornando o seu dia a dia ainda mais prático!

Para conhecer o Software TMS da Renasoft, clique aqui e teste gratuitamente.

imagem azul com um caminhão de fundo com opção para clicar e baixar o sistema gratuitamente

Caso tenha mais alguma dúvida sobre esse assunto que é tão importante, não deixe de nos mandar mensagem!

Espero que tenha gostado desse post, até mais!

Um comentário

  1. […] frete disponibilizada pela ANTT, existem outros custos paralelos que devem ser considerados, como a documentação obrigatória, pedágios, manutenção da frota, salário, multas, custos de viagem e muito mais! Veja o nosso […]

Deixar uma resposta